Bike ride!

Era uma vez uma garota. Uma garota que foi criada para ser sempre madura, assim perdendo diversas coisas de sua infância.

Era uma vez um garoto. Um garoto que ao contrario da garota, aproveitou muito a vida até o dia que o destino quis mudar tudo.

Era uma vez um verão. Um verão onde a garota e o garoto se encontraram.

Era uma vez uma história que não tem nada de contos de fadas.

Along for the ride

A caminho do verão

Sarah Dessen

Editora iD

Auden sempre foi uma boa aluna, boa filha, enfim ela tinha de ser boa em tudo o que fazia. Ela não tinha tempo para brincadeiras, festas, amigos, ou qualquer outra coisa no meio. Ela tinha de ser madura desde de criança, saber se comportar e entender as prioridades. Mas Auden tinha um pequeno probleminha desde criança quando seus pais começaram a brigar. Ela não dormia. Primeiro começou como uma tentativa de fazer eles não brigarem, que no inicio funcionou, até que não fez mais diferença. No momento em que tinha liberdade suficiente ela passou a sair toda madrugada buscando qualquer coisa que a mantivesse desperta, assim ela encontrou um café, onde ninguém se importava que ela ficasse e lá ela se escondia nos livros.

Seu irmão mais velho, Hollis, era o oposto, vivendo como mochileiro pela Europa, sempre em suas aventuras. Hollis sempre trocava de namorada rapidamente, porem, elas eram sempre alegres, como ele. Um dia Auden estava se preparando para sair e uma das namoradas do Hollis apareceu trazendo um presente para Aud. Um porta retrato com os dizeres ‘O MELHOR DE TODOS OS TEMPOS’, nele tinha um foto de Hollis sorrindo como sempre. E foi quando Auden percebeu que não tinha nada que pudesse colocar no porta retrato assim mantendo a foto do Hollis.

Após o divorcio entre seus pais, cada um seguiu seu caminho, e seu pai se casou novamente e foi morar em uma pequena cidade litorânea, seguido do nascimento de sua mais nova irma. Thisbe. Auden recebia e-mails de Heidi, sua madrasta, constantemente e em um dos últimos ela convidou Aud para ir visita-los. No inicio ela hesita, mas por fim acaba aceitando. Com esperanças de poder ficar um pouco mais próxima de seu pai e ter a chance de seu ‘melhor de todos os tempos’.

Porém as coisas não começam bem como Auden planejou. Assim ela acaba com o cara errado, no lugar errado, e não significando nada. E complica um pouco mais, quando depois de ajudar Heidi com a contabilidade da sua butique, ela acaba aceitando trabalhar para Heidi em uma loja onde trabalha a ex-namorada do cara errado com suas duas amigas. As coisas começam realmente confusas. Além disso a tensão na casa de seu pai é palpável, Thisbe não dorme e vive chorando, Heidi vive chorando de cansaço e por não saber o que fazer, enquanto seu pai tem de ter suas horas de sono por causa do livro que esta escrevendo. Uma noite, Auden resolve ajudar Heidi e fica cuidando de Thisbe, e para tentar acalma-la a leva para um passeio no calçadão. Ali ela, ve pela primeira vez Eli.

Eli que é uma lenda local, um verdadeiro mito. Ele e seu melhor amigo, Abe, consideravam a bike sua religião, eles competiam e eram muito bons nisso, até que em um acidente Abe morreu e Eli continuou.

O que acontece é que tanto Auden, quanto Eli tem um vicio em comum, ficar acordado durante a noite. Logo, determinada noite, eles passam a ser companheiros de café, passeios e o que mais tiver para fazer na madrugada.  Eles compartilham pequenos detalhes pessoais que ninguém sabe, e é ai que Eli descobre sobre a Auden não ter vivido tudo que deveria na infância e adolescência e passa a ser seu guia nessa nova busca de Auden. Entre boliches, entregas de jornais, cafés, pedaços de tortas, guerra de comida, baladas, passeios, e o que mais fosse, eles acabam se aproximando e se envolvendo na rotina deles. A dia pertence as suas obrigações e a noite pertence a eles. Mas mesmo com toda a busca e diversão nisso, Auden não se permite falhar e quando as coisas na casa de seu pai complicam bastante, ela se ve impulsionada a voltar para os livros, se escondendo.

Nesse momento Auden ve a importância das escolhas, e tenta enfrentar alguns medos do passado. Ainda mais sabendo que hoje tem amigas e amigos que poderão apoia-la. E de uma forma única ela chega a conclusão de que é a vez dela subir em uma bike e pedalar por conta própria.

“Talvez a verdade fosse que não deve ser fácil ser surpreendente. Pois então todas as coisas seriam. São as coisas pelas quais você luta e contra quais batalha antes de ganhar que tem maior valor. Quando algo é difícil de conseguir, você batalha aquele tanto a mais para ter certeza de que é ainda mais difícil – se não impossível – perder.”

Certo.

Simplesmente lindooooooooooooooooooooooooooooooooo! A escrita da Dessen é deliciosa demais, envolvente, divertida, comovente. A trama criada por ela é tão real que é possível que qualquer pessoa possa se colocar no lugar dos personagens em diversos momentos.

A Auden é complexa, doce, fofa, única e real. As coisas pelas quais ela passa são tão comuns, conflitos com a mãe, com o pai, a inveja branca do irmão, a tentativa de fazer tudo certo de nunca errar, o medo, e sua libertação aos poucos, permitindo que ela seja ela por conta própria, enfrentando as consequências.

O Eli é misterioso, complexo, fofo, aventureiro. Oposto da Auden, mas com medo de seguir em frente depois da morte do Abe, encarrar as coisas sabendo que um dia tudo acaba. Enquanto ele ajuda Auden na busca dela, ele se permite aos poucos aceitar o que aconteceu e seguir em frente.

Outros personagens como a Maggie e Adam, amigos da Auden e Eli, são muuuuuito bem colocados, tirando um pouco da estereotipagem da imagem que passam. Assim como a mae da Auden e a Heidi.

Admito que demorei mais que deveria no livro, mas tudo porque eu não queria que ele acabasse. Sindrome de Georgie lendo os livros do Seth Mas vale muito muito muuuuito a pena, e agora roendo os dedos até que saiam mais livros dela por aqui.

“É algo terrível quando alguém deixa você, pavoroso. Você pode seguir em frente e fazer o melhor possível, mas, como Eli tinha dito, o fim é um fim. Não importa quantas páginas de sentenças e parágrafos de historias maravilhosas tenham levado até ele: sempre haverá uma última palavra.”

Ah! Um detalhe, a Dessen colocou a soundtrack que ela fez para o livro, mas em minha opinião, não faz meu estilo.

Beidjos

Mads

About Mads

a bookaholic.

Posted on October 18, 2011, in bookland and tagged , , , . Bookmark the permalink. 2 Comments.

  1. Oi, Maddie! Gostei muito da resenha, mas agora quero o livro!!!!! E agora? auhauahuahauhau.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: